sexta-feira, 8 de julho de 2011

adeus azul

o adeus tem cor azul
a chegada é amarela, já reparou?
o adeus, como está em tudo
desperdiçado, comunitário
de todos é, e pra todos é
sendo o que foi e será
o adeus está, e esteve, foi
o que eu quis esconder um dia
pra depois me lembrar, pois
o que passou foi bom, e nem tanto assim.

quando era o adeus uma irmã,
sabia de tudo, cobria tudo
uma alameda por onde passavam casais

depois o adeus foi ficando distante da gente,
como se tivesse crescido, como se amadurecido
não pudesse falar, nem lembrar, de tempos atrás

hoje o adeus anda nas esquinas
embaixo dos viadutos, procura suspenso
um ar absoluto, de quem encontrou a paz
- por cima da gente o adeus nos cumprimenta
e às vezes inventa que fomos amigos,
nos amamos mais e mais

eu deixo para ele umas moedas
nem por dó, nem por estar só
e ele me recebe ainda
porque é linda, linda demais
a lua, a rua, as coisas todas
que juntos juramos esquecer - e faz
uns anos e uns trocados
que eu não me esqueci.

13 comentários:

Rafael Castellar das Neves disse...

Excelente!!! Gostei do estilo e da carga!!

[]s

Alvarêz Dewïzqe disse...

Priscila, sabe que esse adeus que anda nas calçadas, esquinas, praças me deixa saudades? também faz anos e trocados que não esqueço.

Ana Andreolli disse...

esse li em voz alto pra uma amiga!

não fica brava comigo, mas nao to achando seu email, me manda de novo? pra falarmos do livro!

bejo =)

Aline Rosa disse...

tao lindo quanto o azul é o adeus, e a saudade e até mesmo os viadutos.

Por que você faz poema? disse...

Tudo pra mim é cinza,
tristeza, alegria, amores, roupas, céu.

Andressa disse...

e a saudade é branca.

Andressa disse...

[mas doi com o a escuridão]

Í.ta** disse...

"já reparou?"

amei, priscila!

beijos

Rita disse...

olá mais uma vez priscila :)

obrigada pelo apoio. eu tenho continuado a escrever, apenas deixou de fazer algum sentido para mim manter o blog. mas talvez um dia mais tarde regresse, quem sabe.

já foste contactada a respeito do concurso? no meu caso, continuam sem me dizer absolutamente nada...

um beijinho

Ico disse...

Me encantó hay tanto de Pessoa como de Piarnik mis dos mores.. besos

Erica Gaião disse...

Priscila,

Vi você no blog da Camila Lourenço e resolvi vir aqui, vê-la no seu espaço. Aqui encontrei arte; arte misturada aos textos, versos e poemas; e todos costurados com personalidade. Adoro isso! Tem gente que escreve, tem gente que escreve com arte.

Às vezes o adeus e o que fica na memória. Talvez, um adeus, seja a única coisa intacta, quando o amor resolve ganhar o mundo.

Voltarei mais vezes.

Beijos,

Cynthia Lopes disse...

um adeus azul!
bom pensar nisso,
um lindo poema
um caminhar junto...
bjs

Manoel Vinícius Souza disse...

É apenas um adeus,
simples,
poético,
um adeus
das coisas,
de si,
do que não vemos.

Seja um adeus.