quinta-feira, 12 de novembro de 2009

desclassificados

Pensou em recorrer aos classificados, e porque não encontrava pronto algo de que necessitava - e porque não sabia o quê - decidiu-se por expor a si mesma: "Procura-se...". Com um bloco de notas à disposição, meditou longamente sobre o que seria. Concluiu que era alguém, mas de que tipo? Do tipo que ela não era; alguém pra complementar uma parte dela que ela não fosse, por distração ou mera limitação humana. No entanto, incapaz de se decidir sobre uma coisa e outra que quisesse que alguém lhe trouxesse a acrescentar, desistiu do anúncio: estava ela desclassificada. Talvez até já tivesse tido, e perdido, essa coisa que procurava.

7 comentários:

BAR DO BARDO disse...

Ai, que má!
Dá uma chance. Torce a história!

Emília Pinto e Hermínia Lopes disse...

Procuramos sempre alguém que nos complete, que seja diferente de nós, que traga novidades, pois nós já estamos mais que cansadas da monotonia do nosso ser; Mas será que conseguimos? Mesmo os que já encontraram, será que se completaram? Será que alguém lhes trouxe o que lhes faltava? Penso que não. Nós somos o que somos e não há ninguém que nos complete, nem nós iremos completar seja quem for; temos que ser completos, aceitar que temos que ser nós próprios a procurar preencher alguma lacuna que pensamos ter; depois de completos, aí sim, pode ser que o outro traga alguma novidade, mas essa será só para acrescentar às nossas, será só para enriquecimento, Penso que o famoso « dois num só » não existe, mas sim um mais um que se juntam para viver uma vida, cada um com as suas caracteísticas e individualidades. Sabes, Priscila, se eu pegasse nos classificados ficava como tu; ia desistir, porque acho que me falta tanta coisa que não saberia por onde começar; já tenho há 34 anos outro ser diferente que um dia eu achei que me completaria, se calhar ele pensou o mesmo; ficámos os dois desclassificados; continuamos, mas continuo com a sensação de que estou incompleta, mas não volto a pegar nos classificados; terei que ser eu a classificar-me. Um beijinho e, como sempre, impecável este texto
Emília

vanessacamposrocha disse...

adorei o texto, senti como se a personagem perdida entrasse em mim e dissesse: proura-se... eu mesma!
abraços

A Moni. disse...

Vez por outra vale arriscar "achar", ao invés de "procurar".

Beijos...

wilson gorj disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
wilson gorj disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
wilson gorj disse...

Sua poesia está toda prosa.
Parabéns pelos textos.

Continuemos nos acompanhando.

Abraços
do
Gorj